Quais são as causas?

As causas da PHDA são em grande parte genéticas, o que se torna evidente pela frequência dos sintomas noutras pessoas da mesma família, sobretudo nos pais e nos irmãos. De facto, é frequente que um dos pais reconheça alguns sintomas na sua infância.

 

Alguns fatores ambientais foram também associados a maior risco de PHDA, incluindo o consumo de bebidas alcoólicas ou de estupefacientes durante a gravidez, o parto prematuro e de muito baixo peso, infeções do sistema nervoso (ex: encefalites) e atrasos no neurodesenvolvimento. A exposição a tóxicos como o chumbo aumenta o risco de PHDA. Os problemas psicossociais, como o ambiente familiar conflituoso/instável, o abuso, a negligência e as institucionalizações múltiplas, também constituem fatores de risco.

 

Um dado importante nos estudos epidemiológicos, é a associação do défice de atenção com o número de horas diárias de utilização da televisão e videojogos na idade pré-escolar: as crianças que os utilizam mais de uma hora por dia têm maior risco de PHDA. A atividade física, pelo contrário, mostrou-se associada a um menor risco. É de notar que a Associação Americana de Pediatria não recomenda a utilização da televisão para crianças abaixo dos 2 anos e recomenda a limitação de 1 a 2 horas diárias para as restantes.