Qual é o tratamento?

O tratamento da PHDA deve ser multimodal, ou seja, deve combinar tratamento farmacológico (medicação), intervenção pedagógica, comportamental, psicológica ou psicopedagógica, apoio e treino parental. Deve ser orientado por técnicos com experiência nesta área.

 

O objetivo do tratamento é conseguir uma melhoria da capacidade de atenção/concentração e diminuição da irrequietude e impulsividade, melhorando o desempenho escolar e as relações interpessoais, com maior adequação do comportamento.

 

Para a definição do tratamento, é necessário ter em conta o perfil de cada criança, a repercussão dos sintomas nos vários contextos e os recursos disponíveis, definindo prioridades.

 

Isoladamente, o tratamento farmacológico é a medida que apresenta resultados mais rápidos, estando indicado preferencialmente nos casos de PHDA do tipo desatento. Os medicamentos mais utilizados são os psicoestimulantes, sendo o metilfenidato o único que é comercializado em Portugal. Em situações mais ligeiras e em idades pré-escolares, podem utilizar-se suplementos alimentares com ómega 3 e 6, que também mostraram efeito benéfico em estudos controlados. É muito importante ter a noção de o tratamento farmacológico não deve ser generalizado e deve ser orientado por um especialista médico.

 

Estudos recentes comprovam que, quando existem desafios de comportamento importantes e outras comorbilidades, o tratamento combinado é o mais eficaz, associando o tratamento farmacológico e a terapia cognitivo-comportamental ou apoio psicopedagógico, com ligação à família e à escola.