Atividades extracurriculares

Ao longo dos últimos anos, as atividades extracurriculares têm vindo a assumir maior importância e maior impacto na vida das crianças e jovens. São vastos os benefícios referidos em vários estudos nacionais e internacionais, nomeadamente no que diz respeito às atividades desportivas e/ou às atividades artísticas.

No caso das crianças com PHDA, pelos elevados níveis de stresse diários que enfrentam ao nível da gestão das suas emoções e dos seus comportamentos, é essencial encontrar atividades positivas para relaxar e/ou canalizar de forma produtiva as suas energias.
 

Neste sentido, é benéfico e terapêutico mostrar às crianças que existem diferentes caminhos que os ajudam a acalmar a sua mente e o seu corpo, bem como a libertar os seus níveis de tensão acumulada, contribuindo para um sentimento de maior autocontrolo (Rief, 2005).

Diversos autores sublinham que a participação em atividades extracurriculares ajuda as crianças a aprender a importância de desenvolver capacidade de pensamento crítico, capacidade de gestão de tempo, bem como tomar consciência das suas competências académicas, intelectuais e interpessoais.

 

Na escolha das atividades a frequentar, existem diversos fatores que devem ser tidos em consideração, dos quais salientamos:

- a opinião da criança sobre qual(quais) a(s) atividade(s) que gostaria de frequentar;
Os gostos e interesses da criança devem ser tidos em consideração sempre que possível, uma vez que essa participação aumentará a sua motivação e envolvimento na(s) atividade(s) pretendida(s).

- a sobrecarga do horário da criança, poderá transformar os benefícios das atividades extraescolares em malefícios, com impacto negativo na vida da criança.
Alguns estudos apontam para relatos e queixas dos alunos, que referem não terem tempo fora do horário escolar para estudar. Este facto aumenta os seus níveis de stresse, visto estarem sempre demasiado ocupados (Melman, Little & Akin-Little, 2007).

 

Neste contexto, entre a imensa oferta de atividades que existe, tanto em contexto escolar, como em contexto associativo e/ou particular, salientam-se algumas áreas que poderão trazer maiores benefícios para as crianças com PHDA:

 

  • A música

Vários estudos indicam efeitos benéficos da música para o desenvolvimento das competências das crianças, tais como: autodisciplina, paciência, sensibilidade, coordenação, capacidade de memorização e de concentração.


Del Campo (1997) concluiu no seu estudo que o envolvimento das tarefas motoras na aprendizagem da música promove uma maior eficácia no planeamento e execução das tarefas, o que é extremamente benéfico para as crianças com PHDA.
São também salientados benefícios ao nível da aprendizagem da matemática, uma vez que a aprendizagem da música melhora o desenvolvimento da capacidade da criança para pensar logica e analiticamente.
A música pode ainda ajudar ao crescimento pessoal da criança, melhorando a sua expressão individual e autoconfiança. E pode também ser muito útil ao nível do relaxamento (Rief, 2005).

 

  •  Os hobbies e as atividades de lazer

É benéfico incentivar as crianças a participarem em atividades de lazer calmas, tais como, o desenho e os trabalhos manuais em barro e/ou plasticina. Adicionalmente, é igualmente aconselhável encontrar atividades recreativas para disfrutar em família, como: andar de bicicleta, fazer caminhadas, andar de skate ou outras atividades físicas.
Não há nada como promover momentos de diversão conjunta para reduzir o stresse e fortalecer os relacionamentos familiares positivos (Lanham, 2001).

 

  • O exercício físico e o desporto

Alguns dos benefícios do desporto incluem melhorias ao nível do controlo dos impulsosaumento da atenção e das capacidades de aprendizagens, áreas de reforço primordiais nas crianças com PHDA.
Da mesma forma, podem canalizar de uma forma positiva e saudável o gasto da sua energia (Rief, 2005).
Os desportos em grupo (como, por exemplo, o futebol) são particularmente benéficos ao nível do relacionamento interpessoal com os pares, bem como na resistência à frustração e na capacidade de autorregulação (aprender a mobilizar diferentes estratégias perante diferentes obstáculos).
Alguns desportos individuais, como é o caso das artes marciais, constituem também uma boa oportunidade ao nível da gestão das emoções e do aumento da capacidade de autocontrolo, assim como ao nível das capacidades de atenção e de concentração para a tarefa.

 

  • O yoga e os exercícios de movimento lento

O yoga tem muitos benefícios ao nível da saúde física e psicológica, entre os quais a redução do stresse e o aumento do foco de atenção. Existem uma série de posturas de yoga e exercícios lentos divertidos e ajustados para crianças, tais como: fingir que é uma boneca de pano, um espantalho, um peixe, uma cobra, um barco, um crocodilo, que está a jogar com um balão, entre outras hipóteses, que podem ser explorados de forma a motivá-las para a tarefa (Rief, 2005).

 

  • Técnicas de controlo de respiração

Controlar conscientemente a respiração, traz grandes benefícios ao nível do relaxamento muscular e da redução dos níveis de tensão diários, aos quais as crianças com PHDA estão particularmente sujeitas (Rief, 2005).
Neste contexto, existem várias técnicas que podem ser exploradas, quer por profissionais, quer adotadas de uma forma lúdica em contexto familiar (antes de dormir, por exemplo) (Rief, 2005).